Olá, Faça o seu login acompanhe o pedido | minha conta | atendimento
0 item: R$ 0,00
Página Inicial
Livros Dvds & Blu-ray eBooks Eventos
Curta a Travessa no Facebook Siga a Travessa no Twitter Siga a Travessa no Youtube Siga a Travessa no Instagram Siga a Travessa no Pinterest
artes | ciências | humanidades |   saúde, esporte e lazer   | literatura e ficção | guias e turismo | infanto-juvenil |   idiomas e referência  

Livros   >  Livros de Literatura e Ficção  >  Livros de Literatura Estrangeira


 
  RESSURREIÇAO


R$ 89,00
em até 3x sem juros

RESSURREIÇAO

AutorLiev Tolstoi

Editora: Cosac Naify



PREVISÃO DE POSTAGEM: Até 13 dias úteis.
Não consta quantidade deste produto em nossos estoques.
Para obtê-lo, este terá que ser adquirido junto a nossos fornecedores mediante checagem prévia de disponibilidade.


ENTREGA = POSTAGEM + TRANSPORTE.    Pesquise para seu CEP:          
 
 

TÍTULO: RESSURREIÇAO
TÍTULO ORIGINAL: VOSKRESSIENIE
ISBN: 9788575038659
IDIOMA: Português
ENCADERNAÇÃO: Capa dura
FORMATO: 17,5 x 24,5
PÁGINAS: 432
ANO DA OBRA/COPYRIGHT: 1964
ANO DE EDIÇÃO: 2010
EDIÇÃO: 


AUTOR: Liev Tolstoi

TRADUTOR: Rubens Figueiredo




Ressurreição, o último livro publicado em vida por Liev Tolstói (1828-1910), em 1899, completa o trio de seus grandes romances ao lado de Anna Kariênina e Guerra e paz. A primeira tradução brasileira direta do original russo, feita por Rubens Figueiredo, chega às estantes no ano do centenário da morte do autor. A apresentação do tradutor traz detalhes do contexto em que a obra mais polêmica do mestre russo foi criada e, ao lado do texto de quarta capa do cientista político Paulo Sérgio Pinheiro, atualiza sua dimensão literária e social. No enredo, baseado em fatos verídicos, um príncipe é convocado a integrar um júri e reconhece na ré uma criada que ele engravidara anos antes. Prostituída, ela é detida sob as acusações de roubo e envenenamento de um cliente. Acaba condenada a trabalhos forçados na Sibéria. O aristocrata busca a salvação da jovem e a própria rendenção espiritual, enquanto a narrativa revela os verdadeiros criminosos daquela sociedade. Com volume em capa dura e papel pólen, o projeto gráfico dialoga com a nova edição de Anna Kariênina, publicada em 2009 pela Cosac Naify, e antecipa o visual de Guerra e paz, próxima publicação de Tolstói pela editora, também com tradução de Rubens Figueiredo.



O escritor russo Lev Nikolayevich Tolstoi, também conhecido como Leon, Leão ou Liev Tolstoi, foi um dos renomados nomes da literatura russa do século XIX. Além de escritor, Liev também ficou conhecido por se tornar um pacifista, publicando textos e disseminando ideias que iam contra os dogmas e preceitos do governo e da igreja. Ele buscava uma vida simples, próxima à natureza. No final da década de 1850, o escritor criou uma escola para filhos de camponeses. A ideia surgiu devido à preocupação de Liev com a educação no ambiente rural. A maior parte do material didático foi escrito por ele mesmo, que foi contra a pedagogia punitiva da época, deixando os estudantes sem excessivas regras. No ano de 1862, casou-se com Sophia Andreievna Bers, tendo treze filhos com ela. Por quinze anos, o seu matrimônio foi pontuado por inúmeras brigas, que resultou em romances que o consagrariam, como Anna Karenina. Apesar de ter alcançado muito sucesso como escritor, Tolstoi tinha questões sobre o sentido da vida que o atormentavam. Após buscar respostas na filosofia, teologia e na ciência, decidiu seguir o estilo de vida simples dos camponeses, o qual considerava ideal. Nesse período, teve início o que ele chamou de conversão. Após se converter, ele parou de beber e de fumar, tornou-se vegetariano e começou a se vestir como camponês. Para não depender do trabalho de ninguém, Leon começou a limpar e arrumar os seus aposentos e a criar as roupas e botas que usava. Também abriu mão do recebimento dos direitos autorais dos livros que veio a escrever. O escritor recusou a autoridade de qualquer governo organizado e da igreja, criticando o direito à propriedade privada. Também defendia a não-violência e disseminava as suas ideias por meio de ensaios, panfletos e peças de teatro. Os princípios de Tolstoi ganharam um grande admirador, Gandhi. Outros seguidores de suas ideologias se denominavam tolstoianos. Apesar de alguns dos seus seguidores e amigos terem sido exilados, Tolstoi não foi punido pelo seu renome no mundo artístico. O seu grande conflito foi não conseguir alcançar a simplicidade de vida em que pregava por causa de família, especialmente a mulher Sophia, que estava acostumada ao luxo. Aos 82 anos de idade, Tolstoi abandonou a família para seguir a vida que acreditava. No entanto, por preferir andar na terceira classe de trens, onde tinha muito frio e fumaça. Já debilitado, pegou uma pneumonia, morrendo em uma estação ferroviária na província de Riazan. O corpo de Liev Tolstoi foi recebido por camponeses e operários, e o seu caixão foi seguido por cerca de quatro mil pessoas. Algumas de suas obras mais relevantes foram: Infância (1852), Adolescência (1854), Juventude (1856), Crônicas de Sebastopol (1855-1856), A felicidade conjugal (1858), Cossacos (1863), Guerra e Paz (1865-1869), Anna Karenina (1875-1877), Confissão (1882), O reino de Deus está em vós (1894), A morte de Ivan Ilitch (1886), A sonata a Kreutzer (1889), O que é arte? (1898), Padre Sérgio (1898) e Ressurreição (1899).


“Ressurreição” não é um livro indicado para os niilistas, cínicos e congêneres. É um livro que faz duras críticas à forma de se usufruir a propriedade da terra na Rússia do século XIX e início do XX. O livro fala sobre as injustiças do sistema de Justiça daquele país, fala da crueldade e da estupidez que reside nas punições judiciais, da ociosidade dos abastados e da corrupção dos militares, e traz também uma crítica velada à religião e à forma como ela corrompeu as ideias de Jesus.

O recurso filosófico que Tolstoi disponibilizava não estava na violência, mas na sua filosofia naturalista, pacifista, cultivando hábitos simples, refugiando-se sempre nos braços da natureza como um sábio eremita. Acreditava que as grandes transformações não viriam de revoluções, mas através das transformações morais e individuais. Daí o nome do livro: Ressurreição.

O romance “Ressurreição” foi baseado em uma história verdadeira que Tolstoi conheceu numa conversa com o jurista e escritor russo Anatóli Fiorodorovitch Kóni, o mesmo jurista que forneceu a Dostoievski informações sobre casos de justiça criminal, mais tarde aproveitados no romance “Irmãos Karamázov”. O jurista comentou com Tolstoi o caso de um jovem aristocrata que havia solicitado seus serviços de advocacia. Convocado para integrar um júri, o jovem aristocrata espantou-se ao reconhecer na acusada uma criada a quem ele mesmo havia seduzido e engravidado anos antes na propriedade de uma tia. Abandonada por ele, expulsa da casa da patroa, a jovem tornou-se prostituta, até ser presa, acusada de roubo. Com remorsos, o jovem aristocrata propôs-se a ajudá-la e casar-se com ela. No entanto, ela veio a falecer de tifo no presídio, após a condenação.

Tolstoi se emocionou com a história por ter vivido algo semelhante. Em sua juventude, seduziu uma criada na fazenda de um parente, que depois a expulsou de casa; ele mesmo tinha também um filho bastardo de uma camponesa em sua propriedade.

As considerações acima foram retiradas do prefácio de Rubens Figueiredo ao livro “Ressurreição”, do qual é o tradutor e que dispensa apresentação. Mas, para aqueles que não o conhecem, Rubens Figueiredo é tradutor, romancista, contista, vencedor de diversos prêmios, e aqui aproveito para dar uma dica: toda tradução de Rubens Figueiredo traz um selo de qualidade de altíssimo nível. Um dos intelectuais mais brilhantes de sua geração que nos proporciona mais essa preciosidade, “Ressureição”. Valeu mestre!

Vamos ao livro? “Ressurreição” é uma transformação; nas palavras de Tolstoi, uma ressurreição. Tudo começa quando Nekhyludov, estudante universitário que passava seus verões com suas tias, veio a conhecer e gostar de uma camponesa, seu nome, Katiucha. Estabeleceram uma relação e Nekhyludov apaixonou-se por ela. Quando ele retorna três anos depois, a vida militar lhe tinha transformado, tornou-se egoísta e depravado, e a seduziu. No dia seguinte, ele deu a ela dinheiro como se estivesse pagando por uma noite de sexo, e seguiu para o seu regimento. Quando ele voltou depois da guerra, soube que ela tinha ficado grávida e tinha ido embora. Ficou aliviado, e resolveu esquecê-la. Acabou expulsa da casa de suas tias ainda grávida, e seu bebê morre. E após várias tribulações acaba se tornando prostituta.

Anos mais tarde, numa dessas coincidências, Nekhyludov, aparece em um júri, no julgamento de um homicídio. Quando chega o momento do julgamento, ele reconhece a ré: Katiucha. O primeiro sentimento foi de desprezo e piedade. Em um segundo momento, ele teme ser descoberto por ela. Mas Katiucha não o reconhece e, aos poucos, Nekhyludov começa a sentir um profundo remorso, sentindo-se responsável por tudo aquilo que ela estava passando.

Devido a um processo viciado, descuidado pelo júri, acaba condenada a quatro anos de trabalhos forçados na Sibéria. Impulsionado por sua consciência inquieta, Nekhyludov vai a um advogado para discutir a possibilidade de um recurso.

Ao longo de suas reflexões ele vai percebendo todo o mal que cometeu e sente que sua vida é vazia. Sente uma necessidade de purificar sua alma e decide quevai casar com Katiucha e abrir mão de suas terras.

Semelhante a Levin no livro “Anna Karennina” (resenhado aqui no blog), Nekhyludov passa por uma transformação, em outras palavras, por uma “Ressurreição”. E Tolstoi faz a seguinte reflexão sobre o protagonista:



“Em Nekhyludov, como em toda a gente, havia duas personalidades. Uma, espiritual, que buscava para si apenas um bem que também fosse um bem para os outros, e a outra, animal, que buscava o bem só para si e, a fim de obter esse bem, estava pronta a sacrificar o bem do mundo todo”. (pg64)



Nekhyludov vai à prisão e revela sua identidade a Katiucha. Como não poderia deixar de ser, ela trata-o com frieza. Orgulha-se da profissão de prostituta e sempre o repele. Até que o nosso protagonista, em mais uma de suas visitas, diz que quer se casar com ela, mas ela recusa, retirando-se para sua cela irritada com ele.

Ele faz de tudo para conseguir a liberdade dela. E torna-se uma pessoa desgostosa com a ignorância e a frieza dos seus amigos poderosos, que lhe dizem para não se preocupar com isso e o aconselham a viver a sua vida e não ser arrastado pelas preocupações das classes mais baixas. Ele enxerga essa hipocrisia em todo o sistema jurídico, burocrático, onde funcionários servem a seus próprios interesses. A partir daí, Tolstoi se aproveita de Nekhlyudov para atacar a sociedade russa.
Nekhlyudov está convencido de que o terrível sistema é manipulado contra os pobres. E ele segue Katiucha e centenas de outros prisioneiros em uma longa viagem até a Sibéria. Conversa com presos políticos que foram considerados ameaças à sociedade, e descobre que muitos deles lutam apenas para estabelecer um sistema mais justo. Ele agora despreza a classe de homens a que pertence. Vende suas terras a preços baratos para os camponeses.

“Uma das superstições mais costumeiras e difundidas é a de que cada pessoa tem determinadas qualidades só suas, que existe a pessoa boa, a má, a inteligente, a tola, a enérgica, a apática etc. As pessoas não são assim. Podemos dizer sobre uma pessoa que ela é boa com mais frequência do que má, inteligente com mais frequência do que tola, enérgica com mais frequência do que apática, e o contrário; mas seria falso dizer sobre uma pessoa, que ela é boa ou inteligente, e sobre outra que é má e tola. Mas sempre dividimos as pessoas dessa maneira. E isso é errado. As pessoas são como rios: a água é a mesma para todos e é igual em toda parte, mas cada rio é ora estreito, ora rápido, ora calmo, ora limpo, ora frio, ora turvo, ora morno. Assim também são as pessoas. Cada um traz em si um germe de todas as qualidades das pessoas e às vezes se manifesta uma, às vezes outras, e não raro acontece de a pessoa ficar de todo diferente de si mesma, enquanto continua a ser exatamente a mesma. Em certas pessoas, essas transformações ocorrem de maneira especialmente abrupta. E Nekhlyudov era uma delas. Tais transformações ocorriam por motivos físicos e também espirituais. E nele agora ocorria uma transformação desse tipo”. (pg192)

Como eu disse lá no primeiro parágrafo, este livro não é convidativo para cínicos, niilistas e congêneres. É para aqueles que acreditam na “Ressurreição”, que acreditam na literatura como força transformadora, e Tolstoi acreditava piamente nesse poder. Fica a sugestão: eu também acredito na força da literatura, a ponto de sugerir que este livro merece um lugar de destaque em sua estante.

Luiz Guilherme de Beaurepaire
http://www.bonslivrosparaler.com






LIVROS RELACIONADOS


De: R$ 32,00
Por: R$ 25,28

A MORTE DE IVAN ILITCH
Liev Tolstoi 
EDITORA: Editora 34
SEGMENTO: Literatura Estrangeira

Em agosto de 1883, duas semanas antes de falecer, o escritor russo Ivan Turguêniev escreveu a Tolstoi: Faz muito tempo que não lhe escrevo porque tenho

PREVISÃO DE POSTAGEM: Até 3 dias úteis.
 
 


R$ 119,00

ANNA KARIENINA
Liev Tolstoi 
EDITORA: Cosac Naify
SEGMENTO: Literatura Estrangeira

Estruturado em paralelismos, o livro se articula por meio de contrastes - a cidade e o campo; as duas capitais da Rússia (Moscou e São Petersburgo);

PREVISÃO DE POSTAGEM: Até 3 dias úteis.
 
 

Mais vendidos  
 
 

PARA SIR PHILLIP, COM AMOR

Julia Quinn
De: R$ 29,90
Por: R$ 23,62


STONER

John Williams
R$ 33,90


PARA SEMPRE ALICE

Lisa Genova
De: R$ 29,90
Por: R$ 23,62


Títulos vistos recentemente
   Limpar itens
   
 
RESSURREIÇAO
Liev Tolstoi
R$ 89,00
 
 
 
Livraria da Travessa - Todos os direitos reservados
 
 
 
Livros DVDs e Blu-Rays Pesquise e conheça também
     
Livros de Artes Filmes Eventos da Livraria da Travessa
Livros de Ciências Shows e Apresentações Dê seu Cartão Presente
Livros Humanidades Infantil Ofertas a Preço de Banana
Livros de Saúde, Esporte e Lazer Séries Crie sua Lista de Desejos
Livros de Literatura e Ficção Documentários Doe Livros
Livros de Turismo Pré-Venda de DVDs e Blu-Rays Programa de Fidelidade
Livros Infanto-Juvenil Lançamento de Dvds Livros por Segmento
Livros de Idiomas e Referência   Dvds por Segmento
Audiobook   Autores Mais Vendidos
Pré-Venda de Livros   Programa de Afiliados
Lançamento de Livros  
Travessa Recomenda

  Trabalhe conosco
 
SITE    Atendimento ao cliente do site  | tel (21) 3138-9554
   de 2ª a 6ª, das 9h às 17:30h (exceto feriados) e sábados, das 8h às 14h
   
   
LOJA BARRA SHOPPING    Avenida das Américas, 4.666 - nível américas loja 220, Rio de Janeiro - RJ, 22640-102 | telefone (21) 2430-8100
LOJA SHOPPING LEBLON    Avenida Afrânio de Melo Franco, 290 - Leblon, Rio de Janeiro - RJ, 22430-060 – 2º piso | telefone (21) 3138-9600
LOJA IPANEMA    Rua Visconde de Pirajá, 572 - Ipanema, Rio de Janeiro - RJ, 22410-002  | telefone (21) 3205-9002
LOJA BOTAFOGO    Rua Voluntários da Patria, 97 - Botafogo, Rio de Janeiro - RJ, 22270-000 | telefone (21) 3195-0200
LOJA CENTRO – RIO BRANCO    Avenida Rio Branco, 44 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20090-004 | telefone (21) 2519-9000
LOJA CENTRO - CCBB    Rua Primeiro de Março, 66 - Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20010-000 | telefone (21) 3808-2066
LOJA CENTRO – 7 DE SETEMBRO    Rua 7 de Setembro, 54- Centro, Rio de Janeiro - RJ, 20050-009 | telefone (21) 3231-8015
LOJA RIBEIRÃO SHOPPING    Avenida Coronel Fernando Ferreira Leite, 1540 - Jardim Califórnia, Ribeirão Preto – SP, 14026-580 | telefone (16) 3623-6828
   
 
Os preços apresentados nesse site não são, necessariamente, iguais aos das lojas físicas. | Todos os produtos estão sujeitos a alteração de preço sem prévia comunicação.
 
Livraria da Travessa Ltda. - www.travessa.com.br | Rua Visconde de Pirajá 572, ipanema rio de janeiro 22410-002 | cnpj: 31.004.013/0005-96 / insc. est. 77.343.121
 
SSL
Selo eBit FORMAS DE PAGAMENTO