Livraria da Travessa

Livros  Humanidades Educação

Pedagogia do oprimido

PEDAGOGIA DO OPRIMIDO



AUTOR: Paulo Freire
EDITORA : Paz e Terra| Saiba Mais…
produto disponível
De: R$ 54,90 Por: R$ 46,67 Em até 3x sem juros
Adicionar
à sacola
OBJETO
DE DESEJO

Pedagogia do oprimido, escrito entre 1964 e 1968, quando Paulo Freire estava exilado no Chile, foi proibido pela ditadura civil-militar do Brasil, onde permaneceu inédito até 1974. Ancorado em situações concretas, este livro desvela as relações que sustentam uma ordem injusta, responsável pela violência dos opressores e pelo medo da liberdade que os oprimidos sentem. É um livro radical, sobre o conhecer solidário, a vocação ontológica, o amor, o diálogo, a esperança e a humildade. Aborda a luta pela desalienação, pelo trabalho livre, pela afirmação dos seres humanos como pessoas, e não coisas. É destinado aos revolucionários, que se comprometem com os oprimidos, para, com eles e ao lado deles, lutar para construir um mundo em que seja mais fácil amar.

Em 1963, em Angicos, interior do Rio Grande do Norte, trezentos trabalhadores rurais foram alfabetizados em apenas 40 horas, pelo método proposto por Paulo Freire. Esse foi o resultado do projeto-piloto do que seria o Programa Nacional de Alfabetização do governo de João Goulart, presidente que viria a ser deposto em março de 1964. Em outubro desse mesmo ano, Freire deixou o Brasil para proteger a própria vida. Apenas voltou a visitar o país em 1979, com a abertura democrática.

Ao longo de sua história, Paulo Freire recebeu mais de cem títulos de doutor honoris causa, de diversas universidades nacionais e estrangeiras, além de inúmeros prêmios, como Educação para a Paz, da Unesco, e Ordem do Mérito Cultural, do governo brasileiro. Integra o International Adult and Continuing Education Hall of Fame e o Reading Hall of Fame.

“O opressor só se solidariza com os oprimidos quando o seu gesto deixa de ser um gesto piegas e sentimental, de caráter individual, e passa a ser um ato de amor àqueles. Quando, para ele, os oprimidos deixam de ser uma designação abstrata e passam a ser os homens concretos, injustiçados e roubados. Roubados na sua palavra, por isto no seu trabalho comprado, que significa a sua pessoa vendida. Só na plenitude deste ato de amar, na sua existenciação, na sua práxis, se constitui a solidariedade verdadeira. Dizer que os homens são pessoas e, como pessoas, são livres, e nada concretamente fazer para que esta afirmação se objetive, é uma farsa.”

Leia mais…

  

MAIS VENDIDOS EM EDUCAÇÃO

ENSINANDO A TRANSGREDIR: A EDUCAÇAO COMO PRATICA DA LIBERDADE ENSINANDO A T ... Bell Hooks de: R$ 59,90
por: R$ 50,92
QUERIDO ESTUDANTE NEGRO QUERIDO ESTUD ... Barbara Carine de: R$ 51,90
por: R$ 46,71
ANTES QUE VOCE CRESÇA: 90 PERGUNTAS PARA FAZER AO SEU FILHO ENQUANTO ELE CRESCE ANTES QUE VOC ... Luciane Barate ... R$ 49,90
R$ 49,90
COMO SER UM EDUCADOR ANTIRRACISTA COMO SER UM E ... Barbara Carine de: R$ 52,90
por: R$ 44,97
FAÇA-OS LER!: PARA NAO CRIAR CRETINOS DIGITAIS FAÇA-OS LER!: ... Michel Desmurg ... de: R$ 79,80
por: R$ 67,83

DADOS DO PRODUTO



título : Pedagogia do oprimido

isbn : 9788577534180
segmento específico : PEDAGOGIA
idioma : Português
encadernação : Brochura
formato : 13,5 x 20,7 x 1,4
páginas : 256
ano de edição : 2019
edição :

AUTOR : Paulo Freire

AVALIAÇÕES


Leitura libertadora para uma educação libertadora!
Marcus
Paulo Freire tem a capacidade de sintetizar questionamentos fundamentais de uma maneira leve e clara. Citando-o livremente: Quem acredita que esse mundo "não tem jeito" transforma o futuro em algo preestabelecido, uma espécie de fado, de sina ou de destino irremediáveis. Se faz reacionário porque, a partir de sua falsa visão da história, desenvolve formas de ação negadoras da liberdade.
Fechando-se em um "círculo de segurança", do qual não pode sair, estabelece a sua verdade. E esta não é a dos homens na luta para construir o futuro, correndo o risco desta própria construção. Não é a dos homens lutando e aprendendo, uns com os outros, a edificar este futuro, que ainda não está dado, como se fosse destino, como se devesse ser recebido pelos homens e não criado por eles.

COMPARTILHE SUA OPINIÃO


   
*